Home » Chevrolet Agile aposta em segunda geração de câmbio automático

Chevrolet Agile aposta em segunda geração de câmbio automático

Desde seu lançamento em 2009, foi vendida cerca de meio milhão de unidades do Chevrolet Agile. Montado sobre a plataforma do Corsa antigo, o carro produzido na Argentina faz muito sucesso no Brasil. O fabricante se mostra entusiasmado com a segunda geração do câmbio automatizado, batizada de Easytronic Gen II e desenvolvida pela Magneti Marelli.

Chevrolet Agile, a promessa de 2013

O sistema automatizado de apenas uma embreagem permite ao motorista trocar as marchas manualmente por meio de toques na alavanca ou simplesmente deixar no modo automático. O dilema é o mesmo de todos os câmbios automatizados de uma embreagem: a ansiedade não combina com ele. As trocas rápidas devem ser evitadas sob pena de trancos que jogam o corpo do motorista e demais ocupantes para a frente, principalmente no modo automático.

Além disso, deve-se ficar muito atento ao arrancar na subida, pois o carro recua muito e, além de criar aresta com o motorista do carro de trás, fica caracterizada a pecha de roda dura. Carros mais sofisticados são equipados com o sistema denominado Hill Holder, que retém o carro por alguns segundos, evitando o dissabor. O recurso é segurar sempre o carro no freio de mão. Ou seja, Hill Holder manual. Ainda no modo automático, é preciso cuidado nas manobras, já que nem sempre se consegue dosar a aceleração como nos carros com câmbio manual. Ou a saída da inércia é demorada ou é abrupta, fugindo do controle do motorista.

Depois de tantos pontos negativos, o leitor deve estar curioso para saber se não há nada de bom nesse sistema. E, como tudo na vida, tem o lado positivo. De acordo com os fabricantes, não só a GM, o consumo e as emissões são menores em relação ao sistema manual. Outra vantagem é descansar o pé esquerdo, pois o acionamento da embreagem é pelo sistema eletro-hidráulico, dispensando o pedal. A primeira geração do Easytronic era somente elétrica.

O segredo para dirigir é ter muita calma e paciência, pois o sistema muitas vezes “pensa”. Por isso, hesita tanto nas trocas em subidas e os trancos são inevitáveis nas trocas rápidas. O sistema é ideal para pontos geográficos com topografia plana em que a pressão exercida no acelerador seja muito leve. Funciona melhor ainda se o motorista consegue antever a troca de marcha, evitando o tranco. A paciência é o preço a pagar para aliviar a tarefa ingrata de pisar muitas vezes na embreagem em trânsito lento e congestionado.

 

Para ler mais notícias, clique em www.blogdalider.com.br. Informações sobre a LiderBH visite nosso site. Siga-nos no Twitter e Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *